quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

INSCRIPTION pour une fontaine

Vois-tu, passant, couler cette onde
Et s'écouler incontinent?
Ainsi fuit la gloire du monde,
Et rien que Dieu n'est permanent.

Agrippa d'Aubigné

2 comentários:

rose prado disse...

Meu avó - materno- sempre falava em francês um poema mais ou menos assim" Arretez, passant...

Eia, passante, leia minha história. Hoje sou o que tu não és e amanhã serás o que sou.
( acho que não era bem isso, mas ..)

Deve ser u poema popular. Não sei..

Mas ,de acordo com meu avò, o texto ficava na entrada dum cemitério na França.

Lembrei isso.

RAA disse...

São muito curiosas essas inscrições, que, nos caminhos, nos interpelam, perturbam e ficam gravadas na nossa memória.