terça-feira, 22 de março de 2011

AOS AFECTOS, E LÁGRIMAS DERRAMADAS NA AUSÊNCIA DA DAMA A QUEM QUERIA BEM

Ardor em firme Coração nascido;
pranto por belos olhos derramados;
incêndio em marés de águas disfarçado;
rio de neve em fogo convertido;

tu, que em um peito abrasas escondido;
tu, que em um rosto corres desatado;
quando fogo em cristais aprisionado;
quando cristal em chamas derretido.

Se és fogo, como passas brandamente,
se és neve, como queimas com porfia?
Mas ai, que andou Amor em ti prudente!

Pois para temperar a tirania,
como quis que aqui fosse neve ardente,
permitiu parecesse a chama fria.

Gregório de Matos

3 comentários:

ROSE prado disse...

Ele conversando com o amor ... que belo.

ROSE prado disse...

Conhece este Gregório?

Discreta e formosíssima Maria
Enquanto estamos vendo a qualquer hora
Em tuas faces a rosada Aurora,
Em teus olhos e boca, o Sol e o Dia:
Enquanto, com gentil descortesia,
O Ar, que fresco Adônis te enamora,
Te espalha a rica trança voadora
Quando vem passear-te pela fria:
Goza, goza da flor da mocidade,
Que o tempo trota a toda ligeireza
E imprime em toda flor sua pisada.
Oh, não aguardes que a madura idade
Te converta essa flor, essa beleza,
Em terra, em cinza, em pó, em sombra, em nada.

RAA disse...

Não conhecia, Rose. Esplêndido.
Que Boca do Inferno?!